Revela-te quem tu és, corpo e alma – Giuliano Fordelone

A desbanalização do culto ao corpo. Não é apenas revelar o que a sociedade esconde, e sim contemplar o belo, a beleza além do corpo à alma!

Geração Fogo no rabo e Nevasca no Peito

Geração Fogo no rabo e Nevasca no Peito - Giuliano Fordelone Nessas breves considerações a respeitos nas relações afetivas e sexuais da nossa sociedade, constatei que a era do "amor" está fora de moda!

A violência sem alma

A violência sem alma - Giuliano Fordelone É uma reflexão com alguns aspectos de crônica, da qual é abordado a violência. Essa escrita teve como impulso o vídeo da travesti Dandara, que foi espancada até a morte na Paraíba. Com muita tristeza, tive que exprimir tal sentimento... o que somos?

Seu Corpo, minha paixão

No seu corpo eu via estrelas Pelas vias de tuas veias O sangue pulsava paulatinamente E lá eu estava entre seus contornos Volumes e adornos, minha alegria Em minha mente Teus olhos esverdeados Cristal profundo, me perco em meus desejos moribundo Partiu e deixou o anseio, o desejo de verão Seu Corpo, minha paixão

Corpo, prisão sem grades. Alma delinquente penitente.

Quando os prazeres da carne não é capaz de suprimir os prazeres da alma, cabe a quem "errantemente" vaga encontrar algo aquém desde mundo. Putrefato, podre corpo fadado a decadência, não há beleza, não há ópio que possa sanar tal determinismo. Do corpo, os instintos que busca por sobrevivência, tentando escapar por todos os meios … Continuar lendo Corpo, prisão sem grades. Alma delinquente penitente.

Na escuridão a curva é mais fechada – Giuliano Fordelone

Vejo nos teus olhos o brilho sagaz de um amanhecer. Posso sentir seu cheiro por entre campos de rosas. Posso te enxergar no escuro de um céu cheio de estrelas. Me debruçar em seu corpo, afagar sua alma, Dançar com seus lábios, e dirigir por suas curvas. Este é um caminho que não posso percorrer. … Continuar lendo Na escuridão a curva é mais fechada – Giuliano Fordelone