Superar – Giuliano Fordelone

Tantos rostos e nenhum mais cativa minha admiração.
Tantos corpos e nenhum mais causa-me euforia.
Tantas personalidades e nenhuma chama meu desejo.
Já não tenho a quem amar nem a desejar.
És enfadonho a busca incessante por tal romance.
Esse consumismo de corpos, egos e pessoas é fatídico!
Deixe caçoar, até mesmo se preocupar pelo meu isolamento.
Dessa insanidade já não quero mais, achincalhar, pra quê?
Já me basta fazer-me de ridículo à la Dostoiévski…
Consciência fatigada, visão embaçada, coração embaraçado.
Sabedoria tardia, experiência débil, dias obscuro.
Pessoas delirantes, sexo desfalecente, corpo degradante.
De uma coisa estou certo: – tudo há de acabar!
Um sentido eterno que retorna, e há de amar sua fortuna.
Superar a si e a todos iguais a ti, ainda sim é trilhar sozinho…
(Obra de Capa e Autor Desconhecido)

Contribua para o debate, comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s