Notas de uma noite qualquer – Giuliano Fordelone

Noites, o que aduzes até mim?
Sugeres tu que eu fique assim?
A quem tu queres que eu traga?
 
Pois na noite mais solitárias de início de verão,
Vem a mim as lembranças do inverno.
Do tempo que o frio passeava lá fora!
 
Mas e agora o que restou dentro de mim?
Se não há nada, jaz folhas secas pelo outono.
As borboletas subiam-me pela traqueia.
 
Noites de inverno que consumia-me de dentro para fora,
Devorava meu coração, pulsava em minha cabeça.
Trucidava meu cérebro em mil pedaços…
 
Eras tu noite maldita que fazia outrora alegria,
Hoje és tu, maldita noite que fez de mim alguém além,
Além de todas essas farsas de romance burguês.
 
Essas histórias de contos de fadas…
Delas conheci um velho Filólogo que dizias:
Não tire-me a solidão se não me ofereceres
a verdadeira companhia.
Descrição Foto:
Autor: Peter Paul Rubens
Obra: Queda dos Anjos Rebeldes
Ano: 1618-1619

Contribua para o debate, comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s