Trecho do Livro: O Jovem Törless de Robert Musil – Página 125 – 126

De qualquer modo, contaríamos as horas de de degradação que todas as grandes paixões gravam em fogo na nossa alma? Pensa nas horas das voluntárias humilhações do amor. Essas horas secretas, nas quais os amantes se debruçam sobre poços fundos, ou pousam o ouvido no coração um do outro, para ver se escutam lá dentro as garras de grandes felinos arranhando impacientes as paredes do cárcere! E isso apenas para sentirem seu próprio tremor! Só para se assustarem mais com a própria solidão, debaixo da qual ficam essas profundezas escuras e corrosivas! Apenas para, subitamente com medo de ficarem a sós com forças tão obscuras, se refugiarem inteiramente um no outro!

Olhe nos olhos dos jovens casais. Neles está escrito: Então é assim que você pensa? Mas ninguém calcula como podemos mergulhar fundo!

Nesses olhos vê-se a alegre zombaria diante dos que nada sabem e o terno orgulho dos que juntos atravessaram os infernos.

E, assim como os amantes andam unidos, andei comigo mesmo, aquela vez, através de tudo aquilo.

 

Cena do Filme Der Junge Törless de 1966 dirigido pelo Volker Schlöndorff

Download do filme: Filmes Cult

Contribua para o debate, comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s