Inverso do Universo

Pinto-me de sabores e degusto cores.
Meu estomago respira fogo,
Meus pulmões digerem o ar,
Meus rins bombeiam visões,
Das quais meus olhos filtram o mundo.

Ontem fui homem, hoje sou máquina,
Com funções diversas daquelas de natureza.
Vivo e vivemos inseridos num holograma do real.
Uma surrealidade realista, onde há guerras e horrores.
Somos maquinas de lutas cotidianas, estagnadas no tempo-espaço.

Há quem diga que a arte erá sútil, que o amor era a causa.
Mas por de trás de belas palavras da modernidade,
Está uma mentira contada de formas verdadeiras.
Somos como insetos, esmagados pelo mundo.
Como quem quer água e recebe o vinho de uma “vitória”.

Contribua para o debate, comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s